Serviços Hospitalares
  • Consultas e exames
  • Pronto Atendimento
  • Cirurgias e Procedimentos
  • Diagnóstico e tratamento de lesões intra cranianas
  • Embolização de tumores benignos e malignos e mal formações vasculares
  • Laboratório de Hemodinâmica
  • Terapia Intensiva
  • Internação Hospitalar
Especialidades Médicas
  • Anestesiologia
  • Arritmologia cardíaca
  • Cardiologia clinica
  • Cardiologia Intervencionista
  • Cirurgia bariátrica
  • Cirurgia buco-maxilo-facial
  • Cirurgia cardiovascular
  • Cirurgia coloproctologica
  • Cirurgia de cabeça e pescoço
  • Cirurgia de coluna
  • Cirurgia de joelho
  • Cirurgia de mão
  • Cirurgia de quadril
  • Cirurgia endovascular
  • Cirurgia geral e digestiva
  • Cirurgia ginecológica
  • Cirurgia hepato-bileo-pancreatica
  • Cirurgia otorrinolaringológica
  • Cirurgia plástica estética e reparadora
  • Cirurgia torácica
  • Cirurgia urológica
  • Cirurgia vascular
  • Clínica médica
  • Coloproctologia
  • Dermatologia
  • Eletrofisiologia cardíaca
  • Endocrinologia
  • Gastroenterologia e Nutrologia
  • Ginecologia
  • Hematologia
  • Hemodinâmica
  • Hepatologia
  • Infectologia
  • Medicina de urgência
  • Medicina Interna
  • Nefrologia
  • Neurocirurgia
  • Neurologia
  • Neurorradiologia
  • Oncologia
  • Ortopedia e traumatologia
  • Ortopedia Oncológica
  • Otorrinolaringologia
  • Reumatologia
  • Terapia intensiva de adultos
  • Urologia
Especialidades Multiprofissionais
  • Enfermagem
  • Fisioterapia
  • Fonoaudiologia
  • Nutrição e dietética
  • Psicologia Clínica Hospitalar

Blog

Emoções e o coração: como os sentimentos afetam sua saúde


Postado em 01/04/2021




O impacto das emoções no coração é o tema do novo milênio, até aí, muitos já sabiam. Nunca se pesquisou ou se preocupou tanto com os efeitos emocionais na saúde. No entanto, desde o início da pandemia da Covid-19 a saúde emocional, depressão, equilíbrio mental estão ainda mais em evidência. Os temas refletem o sentimento da sociedade diante do isolamento social, medo e perdas de entes queridos. Afinal, a doença já matou mais de 1,8 milhão de pessoas no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse abalo coletivo das emoções também tem como causa os efeitos econômicos, que terão longa duração de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Até o estresse ocupacional (Síndrome de Burnout), que por si só já é amplamente identificado em cardiopatas, teve aumento de incidência na pandemia. Esse distúrbio psíquico de tensão emocional é provocado por condições de trabalho desgastantes. Naturalmente, os desafios do home office com aumento das obrigações domésticas coincidem com o aumento de relatos desse tipo de estresse.

 

Mas, afinal, qual a relação das emoções com o coração?


Amor, irritação, medo, ansiedade, raiva e outros sentimentos são processadas no cérebro. Mais precisamente, o sistema límbico recebe as informações e as transforma em emoções. Apesar disso, a relação das emoções com o coração não é apenas liberalidade poética. Alegria, tristeza e os demais sentimentos experienciados pelos indivíduos promovem modificações orgânicas. Elas são capazes de contribuir com a vitalidade ou o comprometimento do coração. 

Assim, as emoções podem englobar alterações físicas, fisiológicas e cognitivas. Depois da ativação do hipotálamo, sistema nervoso simpático, ocorre um aumento de substâncias que podem ser prejudiciais ao organismo, especialmente ao coração.

Você já ouviu dizer que tudo em nosso corpo está conectado? De fato, essa é uma verdade muito sólida quando se trata da relação das emoções e o coração. 

Em primeiro lugar, após o processamento das emoções pelo cérebro, sinais elétricos são enviados ao músculo cardíaco. Isso pode influenciar na cadência das batidas do coração. Em segundo lugar, as emoções processadas podem desencadear na produção de substâncias químicas que impactam nas estruturas do coração positivamente ou negativamente.

 

Como as emoções afetam o coração?


Por um lado, os bons sentimentos contribuem com a produção das endorfinas, conhecidas como hormônio do bem-estar, que protegem o endotélio —tecido que reveste a parede dos vasos sanguíneos. Da mesma forma, serotonina e dopamina desencadeadas por boas sensações emocionais melhoram a atividade cardíaca e colaboram para regular a pressão arterial e fortalecem o sistema imunológico. 

Assim, pessoas mais otimistas podem ter até 50% a menos de chance de desenvolver um problema cardiovascular, de acordo com pesquisa da Universidade de Harvard

Por outro lado, irritação, medo, ansiedade, estresse e tristeza podem ser associados a enfermidades cardíacas. Na prática a carga das emoções negativas estimula a produção de adrenalina que, por sua vez, pode afetar o coração das seguintes formas:

>> Diminui o calibre dos vasos sanguíneos e aumenta a pressão arterial.

>> Deixa o órgão mais suscetível a formação de coágulos que podem entupir as artérias.

>> Maior produção de compostos inflamatórios.

>> Sobrecarga do músculo cardíaco e aumento da incidência de arritmias.

>> Espasmos nas coronárias e dilatação do músculo cardíaco. 


Entenda os efeitos da adrenalina no organismo


É preciso lembrar que a adrenalina não é a vilã da história. É ela quem ativa o mecanismo de rápida resposta diante de situações de medo e ameaça. Quando em situações em que é necessário se defender ou reagir rapidamente a uma situação externa, a adrenalina pode ser considerada até uma salvadora. 

Isto é, o risco das emoções ao coração está muito mais ligado à constância desses sentimentos como estados crônicos. Esses estados emocionais agravados e constantes também podem levar a comportamentos prejudiciais ao organismo como o tabagismo, alimentação rica em gordura e açúcares, abuso de bebida alcoólica e outros. 

Em conclusão, o estresse, depressão e ansiedade podem elevar de 30% a 40% o risco de infarto. Os dados são fortalecidos por pesquisas feitas por diversas entidades de saúde de referência mundial como o Colégio Americano de Cardiologia e academias como a University of Southern California.

 

O que mais as emoções afetam:


Os hormônios associados ao estresse também podem agravar quadros de:

>> Lúpus

>> Psoríase

>> Diabetes

>> Asma

>> Câncer

 

Outros efeitos do estresse e da ansiedade:


>> Imunidade baixa

>> Aumento de infecções

>> Queda de cabelo 

>> Obesidade abdominal 

>> Hiperglicemia

>> Hipertensão 

>> Problemas digestivos e gastrointestinais

 

Como controlar as emoções?


Já apontado pela literatura médica como hábito saudável para a saúde física e mental, a meditação é um dos mecanismos de cuidado com o coração. Meditar nada mais é do que controlar o fluxo de pensamentos por meio de exercícios de respiração. Quanto mais tempo for essa pausa para a meditação, maiores são os ganhos no controle das emoções negativas tão falados aqui como fatores de risco cardíaco.

Além disso, a recorrência da prática também ajuda o indivíduo a reagir de forma mais branda (equilibrada) diante de situações que podem despertar os sentimentos de estresse, ansiedade, irritabilidade e até mesmo depressão. 

Tanto quanto as emoções podem predispor os problemas cardíacos, a iniciativa de controle das emoções pela meditação pode fortalecer a imunidade e o coração. 

 

Cuide do seu coração 


Como está o controle das suas emoções? Tem percebido a recorrente sobrecarga dos sentimentos no coração? Se você respondeu sim, não deixe de procurar ajuda.  O cuidado preventivo com o coração poderá ajudá-lo a diminuir ou controlar fatores.

Conte com o Hospital Lifecenter para cuidar da saúde do seu coração. Somos referência em cardiologia em Minas Gerais é referência em cardiologia em Belo Horizonte. 

Temos excelentes especialistas que atendem em nossa Central de Consultas, blocos cirúrgicos e no Pronto Atendimento. 

 
É possível agendar consultas médicas no Hospital Lifecenter por meio do Whatsapp (31) 9 9890-9916 e pela internet (clique aqui), além da tradicional opção pelo telefone (31) 3279-2222.

 

>> Leia também sobre imunidade e equilíbrio emocional em outro artigo do Blog do Lifecenter. 

>> Leia aqui sobre problemas gastrite e a pandemia.








Este post possui 0 comentários.

Deixe um Comentário